Fundo de defesa de direitos difusos

Fundepes apoia projetos submetidos pela Ufal no Fundo de Defesa de Direitos Difusos

Ao todo, 8 projetos foram submetidos pela universidade e apoiados pela Fundação.

A Universidade Federal de Alagoas (Ufal), com o apoio da Fundação Universitária de Desenvolvimento de Extensão e Pesquisa (Fundepes), submeteu 8 projetos com propostas culturais, de acessibilidade, mobilidade, inclusão, preservação e conservação de museus, no Fundo de Defesa de Direitos Difusos (FDD). A iniciativa busca a prevenção e reparação de danos causados ao meio ambiente, ao consumidor e direitos de valor artístico, estético, histórico, turístico, paisagístico, por infração à ordem econômica e a outros interesses difusos e coletivos.

“A Fundepes tem disponibilizado junto à universidade, diversos projetos culturais, sociais, de saúde e meio ambiente. A proposta das ações submetidas no edital do FDD é mais uma iniciativa para a promoção do desenvolvimento social no nosso estado, e a fundação apoia a Ufal além dos muros”, destacou o diretor-presidente da Fundepes, Ricardo Wanderley.

O FDD é um fundo de natureza contábil, vinculado ao Ministério da Justiça e Segurança Pública, e foi criado em 1988 para gerir os recursos procedentes das multas, condenações judiciais e danos ao consumidor. Esses recursos são utilizados para financiar projetos de órgãos públicos e entidades civis que visem a proteção de direitos difusos.

Conheça os projetos submetidos

– Centros de Documentação e Memória da Universidade Federal de Alagoas

– Preservação e Conservação do Acervo do Museu Théo Brandão de – Antropologia e Folclore: O Patrimônio do Povo Alagoano

– Preservação, salvaguarda e conservação do acervo biológico, geológico, paleontológico e arqueológico do Museu de História Natural da Universidade Federal de Alagoas

– Pinacoteca Universitária da UFAL: estruturar para preservar, promover e difundir de forma acessível o patrimônio artístico e cultural em Alagoas

– A pedra, o rio e a usina: memórias da energia no sertão de Angiquinho.

– Entre redes e nós, aprendendo com os monumentos: rota turística-cultural entre conventos franciscanos históricos do Brasil.

– Subsidência de bairros e demolição de memórias: uma cartografia afetiva e de referências culturais em Maceió-AL.

– Plano AMI – Plano de Acessibilidade, Mobilidade e de Inclusão – dos campi da Universidade Federal de Alagoas: construção participativa, integradora e intervenções preliminares.